10 anos de Cia Mungunzá até dia 10 de Dezembro no Teatro de Contêiner

outubro 29, 2018

Fonte: Cia Mungunzá de Teatro - Epidemia Prata

     Para quem não sabe, estive em cartaz com o espetáculo "Somente uns Restos de Água em uma Piscina Vazia" no Teatro de Contêiner, um dos espaços que mais me instigam, local em que fui provocada diversas vezes. A questão é: se você está procurando por eventos culturais em São Paulo gratuitos (e/ou com preços acessíveis) você deveria ler esse post inteiro.
     A Companhia de Teatro Mungunzá, responsável pela construção do Teatro de Contêiner, comemora 10 anos de existência. Um grupo de atores que trabalha com diversos diretores convidados, pesquisando o teatro contemporâneo e explorando o despertar de reflexões sobre o social e cultural. Segundo o próprio site do cia:

Nos seus espetáculos o grupo prima pela polifonia e hibridismo das linguagens artísticas, trabalhando a encenação como dramaturgia e o ato performático como atuação. Fomentam o fazer artístico como prática política e social.

     Através de entrevista para o Itau Cultural, contam que o grupo se originou quando os atores estavam recém formados na escola de Teatro Macunaíma e Célia Helena. O grupo normalmente fica durante dois anos em processo para só então estamparem o espetáculo para o público, um processo que demora dois anos (em um mundo de imediatismo como o nosso) é de se imaginar a densidade de seus trabalhos. 

Teatro de Contêiner 

     A Companhia também é responsável pela construção e realização do Teatro de Contêiner.

No segundo semestre de 2016, buscando uma sede para abrigar seus trabalhos e uma relação mais direta com a Cidade, a Cia Mungunzá de Teatro fixou através de uma parceria, mediante um “Termo de Cooperação” junto ao Poder Público Municipal, a concessão do lote localizado na Rua dos Gusmões, número 43, Santa Efigênia, para implementação de inúmeras possibilidades artísticas e educacionais no local. O terreno de aproximadamente 1000m2 ,situado entre a Rua dos Protestantes e a Rua General Couto de Magalhães, região central de São Paulo, está sob o domínio da Prefeitura Regional da Sé

    Com o dinheiro guardado dos trabalhos realizados conseguiram então após pesquisas e muita resistência, construir um Teatro inteiro feito de Contêiner. O espaço era uma área pública da cidade inutilizada, com um grande potencial mas mesmo assim, parado. O teatro é encantador, uma intervenção urbana que conecta o artístico a um dos espaços que o Paulistano se afasta. Além de ser a sede do grupo, é também espaço para diversas manifestações culturais como espetáculos teatrais, shows, cinema e até atividades educacionais. Definitivamente é um dos lugares que considero de extrema importância que conheçam quando estiverem por São Paulo, frisando que não apenas o teatro é um espetáculo mas como os trabalhos apresentados por lá são extremamente necessários para os dias atuais.
   Até hoje a Companhia estreou cinco espetáculos, sendo que só assisti o ultimo estreado este ano no Sesc 24 de Maio. Felizmente em comemoração aos 10 anos de Mungunzá, eles entraram em cartaz com todos os espetáculos de seu reportório, nos dando a oportunidade de assistirmos por fim, todos os espetáculos apresentados pelo grupo durante sua trajetória de Outubro até Dezembro de 2018, são eles:

Epidemia Prata

     O espetáculo “Epidemia Prata” traz uma costura entre duas linhas narrativas: a visão pessoal dos atores sobre os personagens reais que conheceram em sua atual residência no Teatro de Contêiner – Centro de São Paulo, e o mito da medusa, que transforma pessoas em estátuas. Trata-se de uma pequena gira teatral. Dura. Sólida. Nessa gira, a poesia é como um rato, deve se espremer pelos cantos para superar um céu de metal. Repleto de imagens e predominantemente performático e sinestésico, o universo PRATA, no espetáculo, assume uma infinidade de conotações que vão desconstruindo personagens estigmatizados pela sociedade e compartilhando a sensação de petrificação diante de tudo.

Direção: Georgette Fadel
Quando: 16 a 26 de outubro
Dias: terças, quartas, quintas e sextas
Horário: 20h
Quanto: Ingresso consciente (você escolhe quanto pode/acredita que deve pagar)

Poema Suspenso para uma Pequena Cidade

     Uma pessoa cai do topo de um prédio e não chega ao chão. Os anos passam e este corpo não consuma a queda. A partir daí, a vida das pessoas nos apartamentos fica presa numa espécie de buraco negro pessoal, onde cada um vive uma experiência que não finaliza, que gira em círculos, não se desenvolve e não olha para seu entorno. Cada personagem fica preso em sua metáfora, ignorando o conjunto à sua volta. Trata-se de uma fábula contemporânea sobre a sensação de suspensão e paralisia geral do mundo contemporâneo. Através do excesso de possibilidades, de informações e uma abertura de infinitos caminhos a percorrer em um segundo, o homem para diante de tudo e começa a traçar um caminho circular dentro de seu reduto que, muitas vezes, ilude a vida, mas, na verdade, é puro preenchimento de espaço.

Direção: Luiz Fernando Marques (Lubi)
Quando:  02 a 12 de novembro
Dias: sextas, sábados, domingos e segundas
Horário: 20h
Quanto: Ingresso consciente (você escolhe quanto pode/acredita que deve pagar)

Era uma Era 

     Em Era uma Era as personagens que contam a história do Grande Reino Ainda Sem Nome surgem de uma caixa abandonada. Barba Rala, rei deste Reino deseja a todo custo entrar para a história dando um nome ao seu Reino. A única forma que um Reino tem de ser reconhecido e entrar para a história, é completando 100 páginas no Grande Livro de Autos. Assim, o rei resolve registrar todo e qualquer passo nesse livro. Até que um dia, após um incêndio, o livro é destruído e os habitantes tem que recomeçar sua vida do zero. No entanto, nessa segunda parte da história, os tempos são outros e a tecnologia domina a vida das pessoas. A peça se repete, mas completamente contextualizada no caos da era digital. Novamente o Reino cresce e vai se preenchendo de memórias e registros e selfies até entrar em colapso de novo. O que pode salvar a memória de um reino?

Direção: Verônica Gentilin
Quando:  03 a 11 de novembro
Dias: sábados e domingos
Horário: 16h
Quanto: Ingresso consciente (você escolhe quanto pode/acredita que deve pagar)

Luis Antonio-Gabriela 

     O espetáculo Luis Antonio-Gabriela revela a trajetória, por meio de impressões recortadas, de uma travesti de meia idade que, posteriormente, se tornou uma figura conhecida no exterior sob o codinome Gabriela. Por meio de levantamentos biográficos que consistem em fotografias, diários, cartas, entrevistas com familiares e amigos e objetos pessoais, a Cia Mungunzá de Teatro leva ao palco a forte história que se passa sob o reflexo da violência familiar em decorrência da ditadura militar a partir de vários pontos de vista. O irmão caçula abusado sexualmente pelo mesmo, a irmã mais velha que sai em busca do corpo do irmão pelo mundo, um pai que não o reconhecia como filho, amigos e colegas de trabalho que detinham um misto de estranhamento e admiração por sua figura, e pelo próprio olhar de Luis Antonio, garoto que aos oito anos descobre a homossexualidade e desde então entra em uma busca incessante pela própria identidade, pela qual se descobre a vida

Direção: Nelson Baskerville
Quando: 16 a 26 de novembro
Dias e horários: sextas às 21h / sábados, domingos e segundas às 20h
Quanto: Ingresso consciente (você escolhe quanto pode/acredita que deve pagar)

Porque a criança cozinha na polenta 

     A história gira em torno de uma menina romena cujos pais são artistas circenses exilados de seu país. A mãe se pendura no trapézio pelos cabelos todas as noites. O pai é um palhaço que não acredita em Deus, pois “Os homens acreditam menos em Deus do que as mulheres e as crianças, por causa da concorrência”. Narrado por uma adolescente que se defende da degradação pela ótica infantil, este livro é ao mesmo tempo lírico e cruel... Enquanto, em seu exílio, excursiona pela Europa Central, a menina, ao lado da irmã mais velha, é arremessada de encontro ao despedaçamento de todos os seus ideais, bem como o preço por cada um deles.

Direção: Nelson Baskerville Nelson Baskerville
Quando: 30 de Novembro a 10 de Dezembro
Dias: Sextas, sábados, domingos e segundas 
Horários: 20h
Quanto: Ingresso consciente (você escolhe quanto pode/acredita que deve pagar)

Para mais informações sobre a Companhia ou sobre a os espetáculos em cartaz por conta dos 10 anos de Repertório, acesse o site da companhia.

You Might Also Like

13 comentários

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Agenda lotada!! Parabéns pelas sessões! Avisa se vier para região metropolitana de Porto Alegre, se vier na Feevale melhor ainda!!

    ResponderExcluir
  3. Aaaaa que maravilhosoooos!! Gosto muito de teatro, e a iniciativa deles em ter uma sede que possui princípios sustentáveis e peças de cunho psicológico/político/sociais me instigam muito! As narrativas que mais me chamaram a atenção foram Poema Suspenso para uma Pequena Cidade, Epidemia Prata e Porque a Criança cozinha na Polenta, embora as demais também apresentem grande densidade <3 Parabéns pelo post Della, e "muita merda" pra vocês <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Miga, o teatro de contêiner é maravilhosoooooo.
      Eu to louca para assistir "Porque a Criança cozinha na polenta" vivem comentando desse espetáculo da Mungunzá e to felizona que voltará. Obrigada pelo comentário pertinente ♥

      Excluir
  4. Nunca tive oportunidade de assistir um espetaculo. Esse Companhia de Teatro Mungunzá parece ser incrível por ter todo esse elenco. Já anotei pra tirar um tempo pra assistir

    ResponderExcluir
  5. Uma vez assisti um espetáculo de um amigo que fazia teatro. Foi lindo e quase choramos de tão felizes que ficamos. Infelizmente o teatro de onde moro está parado por causa de obras há anos e nunca tem nada lá. Se quiser ver um espetáculo, procure outro lugar. Infelizmente é muito triste, lugar onde poderia ter cultura, não tem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito triste, meus pesames pelo teatro da tua cidade hein?! Junta a galera e reivindique seus direitos, arte deve ser para todos.

      Excluir
  6. Interessante a forma como vocês observam os detalhes da vida. A companhia parece ser ótima.

    Sou Nerd

    ResponderExcluir
  7. Gostei muito do conteúdo , muito interessante e que bom que a arte inspira varias pessoas

    ResponderExcluir

Popular Posts

Envie sugestões

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagem em destaque

Marcas brasileiras do amor

   Virá e mexe algumas marcas veganas surgem em meus feeds e descubro algo novo através de amigos. Por que não compartilhar com vocês alg...